11 de mai de 2017

Sete dicas de relacionamento no trabalho

Sete dicas de relacionamento no trabalho

Em frente a tantas diferenças, trabalhar o relacionamento interpessoal pode ser um pouco assustador. São tantas coisas para lidar que parece complexo demais.
E realmente é complicado – quem disse que seria fácil? -, mas não tem nada de assustador. Você só precisa tentar lidar melhor com as pessoas.
E essas 7 dicas serão importantes para que você desenvolva um relacionamento interpessoal com muitos resultados:
  • Empatia – A empatia é algo que deve ser implementado em todas as relações. Colocar-se no lugar do outro é essencial para que possamos tratar nossos companheiros de profissão da melhor forma possível. Considerar a opinião e sentimento dos outros é importante para avaliarmos o impacto que causamos em quem está ao nosso redor.
  • Rapport – Eu sempre falo sobre rapport nos textos porque é a melhor forma de conquistar a confiança de alguém. Rapport é espelhar o comportamento de quem estamos conversando para que se identifique conosco e tenha confiança. Isso não significa que você precise mudar, mas que deve se adaptar a quem está conversando.
  • Diferenças – Todos nós somos diferentes. Você é diferente da sua família e amigos, por que seria igual aos colegas de trabalho? Um bom trabalho de relacionamento interpessoal consiste em entender que as diferenças são importantes para construir um ambiente mais inteligente e representativo de opiniões. Isso é bom para seu crescimento pessoal, profissional e para o crescimento da empresa.
  • Autoconhecimento – Como você deseja ter um bom relacionamento interpessoal se não se conhece bem? É preciso entender os seus traços de comportamento, como você lida com as diferenças, o impacto que causa na vida dos outros e o que lhe incomoda. Esse conhecimento ajuda a aprimorar suas conexões e traçar estratégias para melhorar sua comunicação.
  • Abordagem – Uma boa abordagem é ponto crucial em qualquer conversa. Todo mundo gosta de ser bem tratado. Eu, por exemplo, não gosto de falar “bom dia”, “boa tarde” etc. Acho uma frase um pouco solta. Porém, isso não significa que vou abordar as pessoas negativamente. Pelo contrário, quero construir um bom relacionamento interpessoal com todos. Então, busco outras abordagens que sejam ainda mais cordiais e isso traz um impacto positivo às pessoas.
  • Fale sobre si – Em um bom relacionamento interpessoal, você precisa saber como falar de si mesmo. Impor sua opinião na marra, por exemplo, não é bom para construir boas conexões. 
  • Ouça o outro – Comunicação é uma via de mão dupla. Portanto, você deve estar preparado para ouvir opiniões contrárias e visões de mundo diferentes. Então, tente ouvir o que os outros tem a te dizer. Esse é um exercício difícil, mas que pode te trazer muitos resultados.
Essas dicas de relacionamento interpessoal são simples, mas são tão difíceis de implementar em alguns momentos, né?
Imagina praticar a empatia quando aquele cliente chega gritando com você por algum problema que nem é da sua alçada? Ou tentar ouvir o outro quando tudo que ele diz parece tão absurdo diante da nossa realidade?
Por isso que todas essas dicas de relacionamento interpessoal são um exercício diário.
Você deve praticá-las diariamente para ter muitos resultados profissionais.

20 de abr de 2017

10 fatores positivos do processo de mudanças



Quando as inovações chegam é comum que as pessoas sintam impactos diante daquilo que não conhecem. Isso ocorre tanto na vida pessoal quanto profissional. Por isso, quando um processo de mudanças é implantado, torna-se indispensável que a organização elabore uma estratégica para comunicar aos seus colaboradores. Por sua vez, assim que receberem as informações dos seus gestores, os profissionais não devem criar uma barreira diante daquilo que está chegando. Confira abaixo algumas razões para perder o receio das mudanças e dizer sim ao novo.
1 - Oportunidade de aprendizado: sempre que a inovação "bate à porta" o profissional deve pensar que a inovação é uma ótima oportunidade para desenvolver novas competências sejam essas técnicas ou comportamentais.
2 - Troca de conhecimento: da mesma forma que as mudanças trazem o aprendizado, o funcionário também pode aproveitar o momento vivido na empresa para trocar conhecimentos com antigos ou novos colegas de trabalho que chegam. Vale lembrar que a diversidade é uma rica fonte de conhecimento para pessoas de todas as idades.
3 - Paradigmas: ao se deparar com uma situação nova no ambiente de trabalho que resulte em mudanças significativas para todos, o profissional culmina por realizar uma reflexão com as crenças que adquiriu a partir da sua vivência. A consequência é que ao sair da zona de conforto, a pessoa quebra paradigmas que podem, mesmo sem que ela perceba.
4 - Assertividade: quem lida com a inovação tem a chance de desenvolver a assertividade. Ou seja, a capacidade do indivíduo em valorizar sua autoestima, autoconfiança para se destacar em um mercado altamente competitivo, senso de responsabilidade pessoal e iniciativa.

5 - Criatividade: uma das principais vertentes para despertar o potencial criativo dos profissionais ocorre quando esses se deparam com a inovação. Isso porque a inovação faz as pessoas saírem da zona de conforto e estarem prontas para enfrentar desafios que nunca pensaram em ficar "frente a frente".
6 - Novos horizontes: quando a inovação apresenta-se, o colaborador pode optar por duas alternativas. A primeira é entrar em pânico e tornar a situação insuportável que pode resultar até mesmo no desligamento da empresa. A segunda alternativa é ver no desafio, que está à sua frente, como uma oportunidade única para sua ascensão na carreira, pois ele pode destacar-se dos demais e conquistar um espaço que almejava há muito tempo.
7 - Empregabilidade: ao desenvolver novas competências diante do processo de inovação, o profissional vê seus horizontes abertos para novas oportunidades tanto dentro da empresa quanto para o mercado que busca, constantemente, talentos que façam a diferença.
8 - Comunicação: há pessoas que pela própria característica da personalidade são introvertidas, tímidas. Isso não significa que não possuam competências que as façam ser parte integrante do negócio, pelo contrário. Quando a inovação chega a uma organização, as pessoas se veem diante da necessidade de se comunicarem, de trocar ideias, de apresentar suas dúvidas e isso, por sua vez, resulta na melhoria da comunicação interpessoal.
9 - Espírito de equipe: o processo de mudança foi instituído na empresa e está em ritmo acelerado. Para acompanhar as inovações, os profissionais necessitam somar esforços, ou seja, trabalharem em equipe para a obtenção dos resultados esperados. Todos são capazes de darem sua contribuição, mas para isso é preciso que a camaradagem, a união entre as pessoas torne-se uma realidade.
10 - Empreendedorismo: um dos pontos que mais chama a atenção em um processo de mudanças é a capacidade que as pessoas têm de reconhecerem o próprio potencial que, muitas vezes, pode ficar adormecido por anos. Mas, diante do inesperado, muitos profissionais relevam um lado que nem imaginavam terem: o empreendedorismo. O medo de arriscar, de se mostrar empreendedor tanto dentro quanto fora da empresa aflora de maneira que levam muitas pessoas a darem um novo rumo às suas vidas e, diga-se de passagem, de forma muito positiva.